quarta-feira, 19 de junho de 2013

[Crítica] World War Z: An Oral History of the Zombie War, de Max Brooks

World War Z: An Oral History of the Zombie WarWorld War Z: An Oral History of the Zombie War by Max Brooks
My rating: 2 of 5 stars

★★☆☆☆

Sinopse:
The Zombie War came unthinkably close to eradicating humanity. Max Brooks, driven by the urgency of preserving the acid-etched first-hand experiences of the survivors from those apocalyptic years, traveled across the United States of America and throughout the world, from decimated cities that once teemed with upwards of thirty million souls to the most remote and inhospitable areas of the planet. He recorded the testimony of men, women, and sometimes children who came face-to-face with the living, or at least the undead, hell of that dreadful time. World War Z is the result. Never before have we had access to a document that so powerfully conveys the depth of fear and horror, and also the ineradicable spirit of resistance, that gripped human society through the plague years.

Ranging from the now infamous village of New Dachang in the United Federation of China, where the epidemiological trail began with the twelve-year-old Patient Zero, to the unnamed northern forests where untold numbers sought a terrible and temporary refuge in the cold, to the United States of Southern Africa, where the Redeker Plan provided hope for humanity at an unspeakable price, to the west-of-the-Rockies redoubt where the North American tide finally started to turn, this invaluable chronicle reflects the full scope and duration of the Zombie War.

Most of all, the book captures with haunting immediacy the human dimension of this epochal event. Facing the often raw and vivid nature of these personal accounts requires a degree of courage on the part of the reader, but the effort is invaluable because, as Mr. Brooks says in his introduction, “By excluding the human factor, aren’t we risking the kind of personal detachment from history that may, heaven forbid, lead us one day to repeat it? And in the end, isn’t the human factor the only true difference between us and the enemy we now refer to as ‘the living dead’?”
Fonte

Opinião:
Decidi pegar neste livro quando soube do filme, que estreou há pouco tempo. Não foi o que eu estava à espera de todo...
Este livro é, basicamente, um documentário fictício feito pelo autor do livro, Max Brooks, sobre a Guerra Mundial Z (ou seja, a Guerra contra os Zombies).
O autor passa o livro de um lado para o outro, de continente em continente, a recolher testemunhos de pessoas que sobreviveram à Guerra, com o intuito de escrever um livro. Algumas das histórias foram interessantes, outras nem por isso...

É um livro pequeno, não custou muito a ler... mas foi um bocado cansativo e pouco estimulante, com tanta conversa...
Quando vi o trailer do filme, antes de pegar no livro, pareceu muito interessante. No início do ano, li o meu primeiro livro de Zombies - "Warm Bodies" e adorei! Por isso, quando soube que o filme era baseado num livro, fiquei logo entusiasmada... pois... mas não foi assim com este livro. Apesar de ser sobre zombies, é um estilo completamente diferente...

Concluindo, foi interessante quanto baste, mas não adorei...

Ver outras críticas

2 comentários:

  1. Estou curiosa para ver o filme apesar de não ser grande fã de zombies. Pela tua discrição e opinião não deve valer muito a pena o livro. Beijos

    ResponderEliminar
  2. Li o livro, exactamente porque, pelo trailer, o filme pareceu ser bom. Mas não tem nada a ver com o filme... como disse na crítica, o livro é, basicamente, um documentário fictício com os testemunhos dos sobreviventes. O filme parece ser bem melhor! :)
    O livro foi interessante quanto baste, mas não valeu muito a pena, não... :/

    ResponderEliminar