quarta-feira, 6 de março de 2013

[Crítica Filme] Criaturas Maravilhosas

★★★☆☆  {  3.5  }


Na passada quinta-feira, dia 28, vi (finalmente!) Criaturas Maravilhosas (título original – Beautiful Creatures). Podem ler a minha crítica ao livro aqui. Eis a crítica ao filme.

SPOILER ALERT (caso não queiram spoilers, não leiam o resto)

Em primeiro lugar, por ter lido o livro, tinha muitas expectativas e, apesar de já ter lido algumas críticas ao filme e de já ter baixado essas expectativas, levava grandes esperanças para este filme.

Do realizador, Richard LaGravenese, para além deste filme, só conheço mais um trabalho - P.S., I Love You. Do elenco, já conhecia de outros trabalhos o Jeremy Irons, a Viola Davis, a Emma Thompson, a Emmy Rossum, o Puitt Taylor Vince e a Zoey Deutch e fiquei mega-fã dos protagonistas - Alice Englert (Lena) e Alden Ehrenreich (Ethan). Fizeram um trabalho excepcional! Quem também fez um papel fantástico, embora que muito secundário, foi Rachel Brosnahan - que interpretou Genevieve. 

A Genevieve que acabou por se tornar na minha personagem favorita de todo o filme, apesar de apenas ter duas cenas. Toda a emoção que a actriz colocou na personagem foi fantástica! Foi de arrepiar!

Gostei muito de todas as personagens! Mas, achei que houve demasiada Emily Asher e não houve Ridley suficiente no filme. A Ridley é uma personagem muito mais importante que a Emily. Concentraram-se demasiado no "triângulo amoroso".

Com a Ridley... tinha tantas, tantas expectativas para ela. Estava à espera que fosse uma personagem que puxasse mais do que a Ridley do livro e, de certa forma, acabou por fazer isso mesmo, mas teve um fim tão parvo no filme. No livro, a Ridley quase mata o pai do Ethan (que, já agora, não apareceu uma única vez no filme... wtf?), mas acaba por perceber que estava a fazer algo errado, para e vai embora. Desse fim, gostei porque mostra o início da redenção da Ridley. Já no filme, ela era toda para o lado das trevas até ao momento em que vê que a Lena é a mais poderosa de todos os Casters e foge com o "rabinho entre as pernas", com medo da prima... Estava à espera que ela fosse tão bad-ass... e foi, até esse momento!

Mas a Ridley não foi a única personagem a ser modificada dos livros para o filme. Outro grande exemplo disso, foi a Amma. Aquele espírito, aquela presença, aquela vivacidade! Aquela segunda mãe que estava sempre a ralhar com o Ethan, a competir com as suas tartes e a fazer a sua magia... Nem me importei muito com a Amma do filme ser uma mistura da Amma e da Marian dos livros. Mas no filme, a Amma está muito calma... Senti muito a falta dela...! Custou-me muito não ouvir "Don't you sass me, Ethan Wate!" e "ETHAN LAWSON WATE!" no filme...

Falando agora da representação. Adorei! Foi verdadeiramente fantástica! Todos os actores, até mesmo os mais secundários, estavam brilhantes. Para mim, o melhor exemplo foi o de Emmy Rossum na cena da reclamação da Ridley, onde vemos uma transformação brilhante de uma rapariga assustada para uma psicopata com tendências homicidas.

Reparei e achei uma certa graça às menções ao Google que o Macon faz no filme, menções essas que não estão nos livros. Poderá ser, penso eu, alguma referência ao Twilight, visto que uma das falas mais adoradas do filme é "You can google it!". Como ambos são livros/filmes que fazem parte do grande fenómeno actual Young Adult, poderá ser... Gostei muito, também, da cena da janela, pois fez-me lembrar imenso Romeo e Julieta, de William Shakespeare. Já em Sangue Quente, também ocorreu essa referência. Estará a tornar-se moda?
Outra coisa que adorei no filme foi que as pessoas de Gatlin nunca acertavam no nome dos filmes que estavam em exibição no cinema, por exemplo... em vez de Inception, tinham Interception e, em vez de Final Destination 5, tinham Finale Destination 5. Conseguiram arrancar umas boas gargalhadas minhas. O filme teve momentos muito engraçados, até mesmo nas cenas mais "normais" havia ali uma fala muito engraçada que punha a sala toda a rir. Não estou certa de quem escreveu o guião, mas está de parabéns! O diálogo flui muitíssimo bem e nenhuma das falas parece forçada. Toda a escrita neste filme está inteligentemente brilhante!

O filme, em si, está muito bem realizado e muito bem produzido. A maquilhagem e o guarda-roupa estão fantásticos (especialmente dos Casters)! Está tudo cinco estrelas! Contudo, tive um grande senão com este filme... que, sendo fã dos livros, só se agrava ainda mais. Mudaram imensas coisas, especialmente na segunda parte do filme... foi completamente diferente do livro e, como fã, custa um bocado ver isto a acontecer... Tomei nota de algumas das diferenças, para além daquelas que já citei, que achei mais significativas.

- Nos livros, nem o Ethan nem a Lena têm pronuncia do sul dos EUA e não deveria ser suposto acontecer no filme, mas tiveram e eu, com toda a sinceridade, até achei que ficou melhor assim. Não faria sentido nenhum, no caso do Ethan, ter vivido toda a vida em Gatlin e não ter pronuncia nenhuma.

- Não gostei nada do facto de as Caster femininas não terem escolha na reclamação delas para o bem ou para o mal, mas os homens têm. Isto é machismo!! O Macon era das trevas, mas escolheu ficar "bonzinho" pela Lena... WTF? No livro não é assim. Independentemente do sexo, todos os Casters com 16 anos são reclamados para o bem ou para o mal. E não dá para voltar atrás! Por isso, é que a reclamação da Lena é tão importante, porque quando acontecer, seja qualquer for o resultado, é permanente.

- A barreira física entre a Lena e o Ethan que existe nos livros, que os impede se tocarem muito, porque o "queimava", não existe no filme. Na realidade, até se tocaram bastante (até demais). Mesmo tendo lido os livros, houve uma ocasião no filme que fiquei na dúvida se eles chegaram a vias de facto ou não. Se não, esteve muito perto de acontecer...

- Senti falta da musica (16 Moons) e das alcunhas que o Ethan deu à Lena nos livros (L e Lena Beana). Não era exactamente de extrema importância e compreendo que tenham cortado algumas partes do livros, visto que era bem grandito, mas tive pena porque eram coisas que davam uma certa graça.

- Senti imensa falta do Boo Radley. É parvo, mas adoro-o! E o que mais me enervou foi que fazem menção dele no filme (ou melhor, da personagem literária que inspirou o nome dele), mas ele não aparece. É um cão! Custava muito? Nem tem falas, nem nada... LOL.

- o Larkin é das Trevas nos livros, mas no filme, para além de praticamente não entrar, é "bonzinho". Enerva, porque, no livro, foi uma das revelações, para mim, mais chocantes do livro, porque não estava nada à espera.

Agora, vamos ao mais importante...  AQUELE FIM!!!!!! O QUÊÊÊ?? PORQUÊ??

A Lena fez alguma tipo de magia no Ethan para ele se esquecer  de tudo o que passou com ela, ou seja, sabe quem ela é, mas para além disso, ela não lhe diz nada... E só se lembra dela no finzinho do filme (a sério, foi mesmo na última cena), quando o Ethan vai embora de Gatlin com o Link (didn't happen!). O Macon, com a ajuda do Larkin, conseguiu fazer-se passar pelo Ethan e sacrificou-se para salvar a Lena da maldição. A Ridley fugiu com o rabinho entre as pernas com medo da prima. A Lena matou a Sarafine. E o Ethan, enquanto tudo isto acontecia, estava a dormir. A Mrs. Lincoln foi parar ao hospício, por ter sido possuída pela Sarafine.

A sério, praticamente tudo a partir do intervalo foi inventado! Não estava nos livros! Não gostei destas alterações! NOT A BIT! 


Se algum dia encontrar as autoras, eis o que eu vou fazer ao livro...

 

e depois vou perguntar... Porquê...? Porquê escrever um livro tão bom e depois ignorar o fim por completo....?


Espero, sinceramente, que façam pelo menos mais uma sequela. Seria ideal que fizessem um filme para cada livro, mas contento-me com apenas uma sequela. Até porque acho que deixaram uma série de coisas por explicar...


A Banda Sonora Original está tão, tão boa! Até dá arrepios...! ♥
 

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~*****~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Quase todas as cenas no filme tiveram um certo je ne sais quoi de brilhante! Por exemplo, as visões da Genevieve estavam fantásticas. Foram as minhas cenas favoritas de todo o filme. E a música... ai, a música que tocou nessas cenas. Genial! Simplesmente genial! Deram-me sérios arrepios...
Gostei, também, das cenas mais simples, digamos assim. Por exemplo, o primeiro dia de aulas da Lena, o romance dela com o Ethan, etc. Foram boas, mas não estão no meu TOP5. Eis o meu TOP5 de cenas favoritas.

 

Cenas favoritas (SPOILERS!)

 


5º O confronto de Sarafine e Macon na igreja

4º Regresso de Ridley a Ravenwood e o confronto com Lena

3º  A primeira visão de Ethan e Genevieve

2º  A transformação/reclamação de Ridley 

1º  A transformação de Genevieve e o início da maldição


Se já viram o filme, deixem o vosso comentário!

3 comentários:

  1. Eu amei os livros, e sim, o realizador errou completamente, mesmo que queira fazer o 2º vai ter de voltar a mudar imensas coisas. A tua crítica é a minha, tirando a parte da minha atriz favorita no filme e fora ser a Alice Englert.
    Para além dos atores serem fantásticos, também deves ter reparado que as personagens estavam diferentes do livro, para mim a Lena sempre teve o cabelo preto e encaracolado e aqueles olhos verdes vivo, o Ethan tinha de ser alto, bem mais alto que ela, pois no livro ela até se punha em bicos de pés para o beijar, e houve mais. Um livro excelente, o realizador podia ter feito um filme brilhante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo. O filme teve imensas falhas e caso façam um segundo, terão que fazer muito melhor.

      Eliminar
  2. Eu amei os livros. Quanto ao filme foi uma desilusão. Visto o quanto bom é o livro esperava um filme melhor, as cenas trocaram, na minha opinião faziam la falta. E fizeram com que o filme perde-se aquela qualidade que quem leu os livros esperava

    ResponderEliminar