quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

[Crítica Filme] Sangue Quente

★★★★☆  { 4.5 }


07/02/2013

Acabei de chegar do cinema, onde vi Sangue Quente (título original – Warm Bodies). Podem ler a minha crítica ao livro aqui. Como prometido, eis a crítica ao filme.

SPOILER ALERT (caso não queiram spoilers, não leiam o resto)

Em primeiro lugar, tinha muitas expectativas (por ter lido o livro) e o filme, apesar de não as ter superado, foi fantástico!

O realizador, Jonathan Levine, não é muito conhecido. Para além deste filme, dele só conheço o filme 50/50, que adorei! E a realização de Levine neste Sangue Quente não desiludiu.

Quanto ao elenco apenas conhecia três dos nomes - Nicholas Hoult (X-Men: O Início, Era Uma Vez Um Rapaz), Teresa Palmer (Sou o Número Quatro, A Maldição 2) e, claro, John Malkovich (Identidade Kubrick, O Libertino). Só conhecia o Dave Franco (Noite de Medo, Agentes Secundários) por ser irmão do James Franco; e a Analeigh Tipton (Amor, Estúpido e Louco, Green Hornet, America's Next Top Model) e o Rob Corddry (Loucuras em Las Vegas, Jacuzzi - O Desastre do Tempo) conhecia apenas de alguns projectos, ou seja, conhecia-os "de vista".
 
Nicholas Hoult fez o papel de R na perfeição, ninguém podia esperar melhor e, como já referi, ia com imensas expectativas. A Teresa Palmer... gostei da participação dela como Julie, mas, mesmo assim ainda não consegui entranhar a personagem - continuo a achar que lhe falta um pouquito de personalidade, de vivacidade. Gostei muito da Nora (Analeigh Tipton), mas acho é que entrou muito pouco no filme - foi das minhas personagens favoritas no livro. A interpretação de M por Rob Coddry é que, sinceramente, me levou de surpresa. Estava à espera de gostar do M, porque gostei dele no livro, mas não estava à espera de gostar tanto dele. No filme ele tem com cada momento... adorei-o! Bitches, man... LOL. O Dave Franco... não achei nada de especial - nem a qualidade da representação, nem da personagem - o Perry. Já no livro, não adorava o Perry, mas tolerava-o; no filme, não gostei dele. E achei que no filme o fim dele não foi explicado como deve ser - aliás, não foi explicado de todo. As pessoas que viram o filme e não leram o livro, se calhar agora pensam que o Perry ficou para sempre na consciência do R. Não ficou... Mas fiquei muito feliz por terem feito a parte quando R come o cérebro do Perry. Estava com receio que não colocassem no filme por ser demasiado gráfico. Não queria que fizessem com que o R se apaixonasse pela Julie só ao vê-la, estilo love at first sight. Estava com receio, também, que não fizessem os flashbacks das memórias do Perry. Mas enganei-me nos dois aspectos, fizeram-nas e muito bem.

Tanto o livro como o filme dão muito que pensar e servem como uma excelente crítica à sociedade. Não comunicamos, parecemos zombies nesta nossa vida que é uma correria - de casa para o trabalho, do trabalho para casa, etc. Não reparamos uns nos outros. Andamos, simplesmente, a deambular de um lado para o outro. Nós somos os zombies. 

What am I doing with my life? I'm so pale. I should get out more. I should eat better. My posture is terrible. I should stand up straighter. People would respect me more if I stood up straighter. What's wrong with me? I just want to connect. Why can't I connect with people? Oh, right. It's because I'm dead.   - R

Esta metáfora aplica-se, principalmente, à grande maioria dos jovens de hoje em dia. Eu, pessoalmente, consigo-me relacionar muito com o R. 


Tal como no livro, houve cenas muito engraçadas. Tanto o livro como o filme são uma mistura perfeita de romance/terror/comédia. Adorei os dois!  :)
Gostei muito, também, da adaptação dos nomes das personagens. Nunca me tinha apercebido e no outro dia chamaram-me à atenção sobre isso... Os nomes das personagens são uma adaptação de Romeo & Julieta. Ora vejam:

R   -  Romeo
Julie  -  Juliet 
-  Mercutio
Nora  -  Nurse
Perry  -  Paris


Achei muita graça! Adorei!  :)
Adorei, também, os efeitos especiais! Estavam muito bem feitos, especialmente os Bonies.

Quanto ao fim, fiquei muito desiludida. Foi tudo muito do género "e viveram felizes para sempre". O Grigio, o pai da Julie, não morreu (como no livro) e aceitou todas mudanças muito bem, o que não faz nada o estilo dele - foi completamente fora de personagem. Agora, pergunto-me... será que não vão fazer sequela ao filme? Não devem fazer, acabaram este tão "bem" - a ameaça foi completamente eliminada e todos viveram felizes para sempre. Tenho um problema sério com isto, principalmente porque o livro não acabou assim e porque, assim, não faz sentido ter um segundo filme (o que é estúpido, porque vai haver um segundo livro). GRR! Que frustração... Não sei qual o motivo por terem optado fazer assim. Talvez não quisessem um franchise como há muitos agora, não sei... só sei que não gostei desse aspecto.

Concluindo, gostei muito do filme! Mesmo assim, decidi não dar 5 estrelas, por um simples motivo - o facto da segunda metade do filme não ter sido tão fiel ao livro como o resto do filme, principalmente aquele final...

Apesar dos aspectos negativos referidos, aconselho vivamente a todos que vejam o filme. Aproveitem o Dia dos Namorados!  ;)


Bom fim-de-semana!  :)

Sem comentários:

Enviar um comentário