quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

[Crítica] Easy, de Tammara Webber

EasyEasy by Tammara Webber
My rating: 1 of 5 stars

★☆☆☆☆

Uma garota que acredita que confiança pode ser deixada de lado, promessas são feitas para serem quebradas, e a lealdade é uma ilusão. Um garoto que acredita que a verdade é relativa, as mentiras podem esconder uma dor insuportável, e a culpa é eterna. Será que quando se encontrarem eles vão validar suas conclusões, ou refutar todas elas? Quando Jacqueline segue seu namorado à faculdade que ele escolheu, a última coisa que ela espera é uma separação. Depois de duas semanas em estado de choque, ela acorda para sua nova realidade: ela está solteira, estudando em uma faculdade estadual em vez de um conservatório de música, ignorada por seu grupo de amigos, e quase repetindo uma matéria pela primeira vez em sua vida. Saindo para uma festa sozinha, Jacqueline é assaltada por seu ex-irmão de fraternidade. Resgatada por um estranho que parece estar no lugar certo na hora certa, ela não quer nada mais do que esquecer o ataque e a noite – mas seu salvador, Lucas, senta na última fileira de sua classe de economia, escrevendo em seu caderno e encarando-a. Quando seu atacante retorna, Jacqueline tem uma escolha: aceitar a derrota ou aprender a luta. Lucas continua protetor, mas ele está escondendo seus próprios segredos. De repente, as aparências são tudo, e saber em quem confiar não é nada fácil.
Fonte

Opinião:
Antes de ler o livro, li diversas críticas no Goodreads e todas elas fantásticas, e comecei a ler o livro com imensas expectativas. Que desilusão que eu tive! Até me sinto um bocado mal de estar a falar mal do livro, depois de ver tantas críticas positivas… but it is what it is.
Foi o livro menos realista de sempre, ainda por cima com um tema tão sensível como o abuso sexual. Tive que fazer um esforço enorme para acabar o livro. Deu-me, literalmente, uma dor de cabeça.
Nunca tinha lido nada da autora e digo, francamente, que não fiquei impressionada.
Em geral, o livro até tinha um conceito interessante, mas foi muito mal aproveitado pela autora, na minha opinião. Quanto mais o lia, mais me enervava. A única coisa minimamente positiva neste livro foi a escrita, que não foi má de todo, embora também não tenha sido fantástica. De resto, não consegui sentir nenhuma ligação às personagens. A Jacqueline é uma personagem horrível, que não tem personalidade nenhuma e só faz decisões de merda. Como se isso não fosse suficiente, durante todo o livro a personagem não desenvolveu nem um bocadinho. Não gostei nada dela.

Um dos grandes problemas deste livro é SPOILERS! a reacção irrealista da Jacqueline quando foi abusada sexualmente - parece não ter tido qualquer impacto na vida dela. Não mostra qualquer sinal de trauma, de medo ou sequer de uma melhor vigilância após o ataque. E só se mostra com receio quando é novamente confrontada pelo atacante. Sim, porque como não fez queixa dele da primeira vez, deu-lhe, obviamente, a oportunidade para voltar a atacar – e ele assim o fez, e não foi só a ela.
Ainda por cima, mais uma característica super-irrealista da Jacqueline, cerca de duas semanas depois do primeiro ataque, ela já está pronta para ir para a cama com o rapaz que a salvou - o Lucas. Em vez de ter dificuldades ao encarar a situação, não... pelo contrário, fica obcecada com sua nova paixoneta pelo Lucas e pelo explicador de Economia, e com o fim do namoro com Kennedy - o rapaz que ela amava tão loucamente que o seguiu para a Faculdade que ele escolheu.
Quando é atacada uma segunda vez pelo Buck, tal como da primeira, não faz queixa nem conta a ninguém e para agravar a situação vai a uma festa com a melhor amiga Erin onde sabe que ele vai estar. Quando ele a ameaça, não só não se vai embora como volta a não faz queixa. Se isto não é estupidez... eu não sei o que é. Medo não é claramente, visto que continua com a sua vida normalmente, apesar de praticamente conviver dia-a-dia com o atacante.
O nosso herói, o Lucas, é mais um estereótipo de bad-boy com um passado trágico, completo com tatuagens, um piercing no lábio e uma mota. O sonho de qualquer rapariga que acabou de ser largada depois de 3 anos de namoro e que, acima de tudo, acabou de ser abusada sexualmente, certo? Para a Jacqueline, sim. Apesar de o ter conhecido há apenas uns dias, confia nele cegamente, só porque a salvou e porque é atraente. O envolvimento dela com o Lucas foi extremamente irreal, principalmente em termos sexuais – foi demasiado fácil para ela voltar a ter uma vida sexual normal, sem traumas do que lhe aconteceu. Mal podiam estar perto um do outro, que começavam logo a curtir e a tirar camadas de roupa… O Lucas, para além de todo o charme de bad-ass, tem também uma faceta de stalker. Ou não fosse ele SPOILERS! contactar diariamente com a Jacqueline via e-mail, enquanto explicador de Economia, usando o seu primeiro nome - Landon. Nome esse que nunca revela no início e só revela quando a Jacqueline já tinha descoberto.
Falando neste assunto agora, quando a Jacqueline descobre a verdadeira identidade do explicador, o que é que ela faz? Como de costume, nada. Continua a falar na boa com os "dois", em vez de confrontar o Lucas sobre a situação. Típico...
FIM DE SPOILERS!  


As outras personagens também deixam muito a desejar. A descrição das personagens, também, fica muito aquém. Por exemplo: só temos descrições minimamente completas das personagens quase a meio do livro.
Outra coisa que me perturbou neste livro foi a reacção da mãe da Jacqueline ao saber dos abusos sexuais. Ficou muito chocada, mas, para além disso, não mostrou muita preocupação. Perguntou à filha se queria que ela fosse ter com ela ao Campus da Universidade e quando a Jacqueline disse que não, ela pediu desculpa por não estar mais presente, mas deixou o assunto por aí. Ora, se fosse a minha mãe, tinha vindo logo a voar ter comigo. E, se fosse eu a mãe nesta situação, sem dúvida que faria o mesmo.
FIM DE SPOILERS!  


Outra coisa... fui só eu que me apercebi logo desde o início que SPOILERS! o Lucas e o Landon era a mesma pessoa... FIM DE SPOILERS!  


Concluindo, apesar de uma escrita boa... o conceito mal aproveitado e nada realista, as personagens idiotas e o enredo, sinceramente, fraco foram, para mim, difíceis de engolir. As escolhas idiotas da Jacqueline já estavam a ser cansativas e o livro acabou se tornar aborrecido…

Agora, peço, com toda a humildade, a quem gostou do livro que me explique o porquê de ter gostado, por favor... porque eu não consigo compreender.


A minha reacção ao livro em geral foi:



Ver outras críticas

Sem comentários:

Enviar um comentário